quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

A MINHA ARDENTE POESIA


















A MINHA ARDENTE POESIA
De
Maria Zélia Gomes

Vem a noite
Com emoção
E no meio da
Escuridão
Nasce o amor
Que inebria …
A noite
Trouxe-me
O sonho
E é no sonho
Que imponho
Nesse meu
Sonho risonho
A minha
Ardente …
Poesia!
17.06.2001

A LUA ADORMECEU






















A LUA ADORMECEU
de
Maria Zélia Gomes


A lua adormeceu na alvorada
Depois de iluminar a madrugada
E encantar o coração de amantes
Já o sol rompeu e o mar cantou
A areia lá na praia amornou
E meus passos se tornaram vacilantes

E fui errante … plo caminho andando
Caminhando anelante, o chão pisando
Ao encontro duma manhã amena
Meus passos se cansaram … descansei …
Meus olhos se fecharam e eu sonhei
E a brisa trouxe … esta paixão serena!

23.08.2006

A MARCA DOS MEUS PASSOS


















A MARCA DOS MEUS PASSOS
de
Maria Zélia Gomes

Fiz-me ao mar nos teus braços …

E deixei ficar meus passos

Na areia fina da praia …
Meus pés ficaram marcados …

Ficaram frios … molhados …

Assim como a minha saia …


No bordo da minha saia

Ficou areia da praia

E no chão uns leves traços …
Veio o mar e apagou …

O que do passeio ficou …

Das marcas desses meus passos!

10.07.2006

SINTO A VIDA APRESSADA



















SINTO A VIDA APRESSADA

de
Maria Zélia Gomes


Sinto a vida apressada
Numa ansiedade velada
Desejosa de viver

E nesta constante pressa
Quando a vida se apressa
Chega o "fim" ... a correr!
24.02.2011

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

ANDO À PROCURA DE ESPAÇO













ANDO À PROCURA DE ESPAÇO
de
Maria Zélia Gomes


Estou a meio do cansaço
Na procura do espaço
Para alegrar minha vida
Estou faminta de ternura
Numa busca insegura
Que me leva de vencida
Vou caminhando ao acaso
No princípio do ocaso
Quando o carinho é escasso
Afasto … a solidão
Que marcou meu coração
O que acabou … eu refaço!


25.11.2006

A MINHA DOCE POESIA



























A MINHA DOCE POESIA
de
Maria Zélia Gomes

Caem noites densas frias
Ofuscando as estrelas
E o vento rodopiando
Folhas secas vai deixando
Caídas … mortas … sombrias
Sob os vitrais das janelas …
Morre o dia no horizonte
E a água da minha fonte
É leve e tão cristalina
Como a bela coralina
Do meu mar de nostalgia
Onde a estrela “vigia”
Me traz amor … alegria
À minha … doce Poesia!


20.02.1993

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

AS PALAVRAS QUE NÃO DIGO





















AS PALAVRAS QUE NÃO DIGO

de
Maria Zélia Gomes

As palavras
Que não digo
Rimas que
Não sei compor
São nesta
Vida … castigo
Quando se
Perde um amigo
Quando se perde
Um amor!


30.06.2000

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

MULHER DE RUA





















MULHER DE RUA
de
Maria Zélia Gomes

Tu mulher …
Que na rua estás à “venda” …
Cuja vida é uma lenda …
Todos te apontam o dedo …
Quem te olha mal te vê …
Vergonha?…Será?... De quê?
Se todos temos a culpa …!?
Da vida que vais levando…
Os que te estão usando …
Também não têm desculpa …
Foste mulher desprezada …
Na valeta estás “deitada” …
Como ser imprestável …
Eu, por mim, peço perdão …
Se te neguei minha mão,
Quando estavas precisada …
Mulher da vida … da rua …
Pões a tua alma nua
A troco do vil metal …
Quem te paga, não quer saber
Se o que vais receber
Tem “bom” destino … afinal!
É para pão p’ra comer?
P’ra filhos alimentar?
Ou será porque na vida
Erraste por tanto amar?
Se és da rua …
Do bordel …
Da beirinha da estrada …
Ou de outro sítio qualquer …
Não te vou recriminar …
Tu não és um ser qualquer …
Tu tens direito a viver …
Porque também és … MULHER!


08.03.2006

MULHER DE CORPO INTEIRO



















MULHER DE CORPO INTEIRO
de
Maria Zélia Gomes

Sou mulher
De corpo
Inteiro
Mulher-mãe
Ser verdadeiro
Com a ternura
No olhar …
Da vida eu sou
Saudade
Sou do mundo
A tempestade
Sou mulher …
Para sonhar!


03.09.2006

MULHER ...SER DE LUZ E MAGIA






















MULHER … SER DE LUZ E MAGIA …
de
Maria Zélia Gomes


Tu és um ser de luz e de magia
És aquela que dá a vida à vida …
Tu és aquela que oferece guarida
Se alguém está vivendo em agonia …


E se esse alguém um dia vir chegar
O sofrimento de forma abismal …
Vai chorar essa perda tão real
Porque já não tem mais a quem amar …


És mulher, companheira, mãe e amiga
Tu és um ser de infinito valor …
És muito mais do que a mais bela flor …
Tens nos olhos esse profundo amor …
Que distribuis da forma mais querida!
15.02.1988

MULHER

















MULHER
de
Maria Zélia Gomes


A mulher é um cristal
É uma pedra basilar …
É frágil, tal qual a flor,
É forte no desamor,
Mas nascida para amar !



A mulher é graciosa,
É dócil, terna e garrida,
É sóbria quando convém,
Quando, no "papel" de mãe,
Traz novos seres à vida !


Ela é alegre, é fagueira,
É doce no seu querer,
É arrogante, é altiva,
Sem amor à própria vida,
Sabe sorrir no sofrer !


Mas seja feia ou bonita,
Seja pobre ou seja rica,
Venha lá de onde vier …
Com virtudes e defeitos,
Ela é apenas … Mulher !!!



05.11.1999

domingo, 13 de fevereiro de 2011

GUARDEI DE RECORDAÇÃO


















GUARDEI DE RECORDAÇÃO
de
Maria Zélia Gomes


Guardei de recordação
Um baú … uma caixinha
Em forma de coração
Forro de cetim “rosinha”
Onde pus, com devoção
Tanto coisa, hoje, velhinha,
Que me causa comoção

Tirei de lá folhas de hera
Em todas elas gravado,
O teu nome num cantinho
Peguei nelas e quem dera …
Que tivessem conservado
O prometido carinho

Já seca … tinha uma rosa
Seria de cor de rosa
Mas tem um tom desmaiado
Olhei tudo e … chorei …
No coração conservei
Restos de um “velho” passado!

28.11.2006

HÁ PALAVRAS QUE NOS BEIJAM



















HÁ PALAVRAS QUE NOS BEIJAM
de
Maria Zélia Gomes

Há palavras que nos beijam
Carregadas de carinho
Palavras que se desejam
E que sobre nós adejam
Mimando-nos de mansinho

E nas palavras … os beijos
São pedaços de desejos
Que a alma … idealiza …
São pedacinhos do céu
No carinho … que é teu …
Trazidos … por doce brisa!


30.04.2007

HOJE É DIA DE SONHAR























HOJE É DIA DE SONHAR

de
Maria Zélia Gomes

Hoje é dia de sonhar

Conjugar o verbo amar

Viver com sã alegria …

Hoje é dia de viver

Amar ...sonhar e escrever

A mais bela poesia …


O sonho é utopia

É quimera … é fantasia…

Mas também nos dá ternura …

Vou na vida sempre querer

Sonhar p’ra sobreviver …

Embora seja loucura!

14.09.2006

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

GOSTO DE CEGONHAS
















GOSTO DE CEGONHAS
de
Maria Zélia Gomes

Cegonha que vais voando
No teu voar vou sonhando
Carinhos vindos dos céus
Tuas penas vais deixando
Nos meus sonhos até quando
Te abrace com os braços meus

Gosto de ti oh cegonha
E se a minha alma sonha
Um dia … te abraçar
Voarei até ao espaço
E dar-te-ei o abraço
Que cresce no meu sonhar!

17.07.2008

A CORRER - poema de MARIA ZÉLIA GOMES